Olá,

Hoje, o mundo cristão comemorou a Páscoa. Diferente dos judeus, que comemoram  o dia em que Faraó autorizou a saída do povo de Israel para o Egito, os cristãos celebram a morte de Cristo na Cruz.

A Bíblia fala que a celebração da páscoa pelos judeus se deu para a lembrança perpétua desse dia. E para tal, o povo deveria imolar um cordeiro em comemoração.

Acerimônia de imolação do cordeiro, simbolizava a expiação dos pecados. Simbólicamente, o cordeiro recebia todos os pecados dos homens e era morto e queimado em fogo.

A Bíblia compara Cristo, ao cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. Após a vinda de Cristo, o ritual de imolação do cordeiro foi extinto, por causa disso.

Apesar da diferença de épocas, o sentido do simbolismo é o mesmo: a remissão dos pecados.

Segundo a Bíblia, o próprio Deus Criador, na pessoa de Jesus Cristo, foi sacrificado, em favor da Criação (Teoria da Graça). Esse sacrifício foi extendido a toda criatura, todo ser vivente que já passou por essa Terra, e por todos os que passarão, pois representa a libertação do pecado orginal, a desobedência do homem, em comer do fruto proibido da árvore da vida, no Jardim do Édem. Essa é a teoria da Graça, que significa favor imerecido, de Deus ao homem.

A Graça livrou o homem da culpa de todo o pecado, ou seja, os que foram cometidos no passado e os que serão cometidos no futuro, pelo simples fato de que se refere ao pecado e não ao tempo em que ele foi cometido. Também não se restringe a classificação de pecados, por qualquer critério que seja: grau de importância, escala de grandeza, quantidade de vítimas, a nada. Basta ser pecado.

A mesma Bíblia define pecado como sendo a transgressão da Lei, os Dez Mandamentos, a Lei de Deus, escrita com seu próprio dedo. O pecado é descrito como erro de alvo, falsidade, violação deliberada do padrão divino de verdade, revolta, maldade, desobediência, transgressão, ilegalidade, iniquidade e injustiça.

Se pecado é tudo isso que está escrito acima, onde se encaixa o homossexualismo?

Os textos Bíblicos que apontam para a questão do Homossexualismo, falam em abominação, e não em pecado, como nenhuma situação descrita acima.

Pensando nesse conceito, refletindo sobre o sentido da páscoa, do sacrifício do Criador, para salvar sua critaura, mal comparando o amor de uma mãe por seu filho, ao amor desse Criador por sua criatura, a ponto de morrer, após um dos piores sacrifícios já descritos, eu fico pensando se realmente esse seria o critério para excluir alguém dessa graça.

Primeiro, que, por essa definição, homossexualismo não se enquadra como pecado, depois, porque um pai que morre por seu filho, não vai querer ficar longe dele, independente da sexualidade dele.

Até porque, mais importante que a sexualidade, é o caráter da pessoa, que vive essa sexualidade. E o caráter, não é influenciado pela sexualidade, muito pelo contrário. Ele independe de sexualidade. E, para Deus, o que importa é o que está no seu coração, o seu caráter.

E essa crença que me livra de uma culpa que todas as igrejas tentam me impor, pelo fato de eu ser gay. Mas, eu não quero e não aceito que me imputem uma culpa que eu não tenho.

Eu não escolhi minha sexualidade. Não escolhi ser assim. Não tenho culpa porque isso é o meu natural.

Por isso, nessa páscoa, seguindo a linha da esperança que o sacrifício de Cristo traz para os cristãos, com o mesmo significado de esperança que a celebração da libertação do povo de Israel para os judeus, eu quero deixar minha mensagem de libertação, Graça e esperança para quem estiver lendo e acompanhando esse blog, que me tem feito muito bem, como desabafo.

Feliz Páscoa!

Anúncios